Quem é quem nessa multidão
Hey, olhe ao seu redor, camarada
Pra que as trevas não levem seu brilho
Pra que as coisas não saiam do trilho
Hey todo momento atenção
Hey olhe ao seu redor camarada
Pra que as trevas não levem seu brilho
Pra que as coisas não saiam do trilho

Ae neguim é o caralho
Meu nome é Emicida porra
O zica, corra, brinca
Brabo deis da orra
É o fim da zorra
Vim dos freak
É mate ou morra
Frio masmorra tio
Do morro as desforra
Coro Etiópia
Febre a luz própria
Rap é anti copia
Mef deixe em off
As Fama e os click
click ouço um slick rig
No bote igual dip lick
Ligeiro pick igual ao wikiliks
são velhas agonias
Novas tecnologias
Jão vim pra ser Ben 10
Moleque monstrão
De volta no ring
É swing no bang dando
Sangue até o fim fé
Boro eu te espanque
O gueto nos corroi
E o rap brigando na net
Pra ve quem tem os tênis melhor
É cada um com sua cruz Jão
Alá, Jesus também no meio dos cuzão
Cedi? Não!

Quem é quem nessa multidão
Hey, olhe ao seu redor, camarada
Pra que as trevas não levem seu brilho
Pra que as coisas não saiam do trilho
Hey todo momento atenção
Hey olhe ao seu redor camarada
Pra que as trevas não levem seu brilho
Pra que as coisas não saiam do trilho

Normal chame radical
Mais não abraço que de ontem
Pra hoje ser preto ficou legal
Palhaços em festa, raiz cortada
A dor dos Judeu choca a nossa gera piada
Gana mata o clima bucólico
Faz Melancólico lá fui
São Tomé no inferno dos católico
Claro que o tom soa terrorista
Meu pais ciclista fã do fih do Eike Batista
Regra selvagem nega paisagem
Tensa essa densa onde nada compensa
Pra nois contra os boy froxo tira a favela
Ela te mostra 50 tons de roxo
Rejeitado escroto que gera
Um estilo torto
Mais as perna do Garrincha também era
Pobre, louco também puderá
Não que ouvi groselha
Mo boi tio não prospera

Quem é quem nessa multidão
Hey, olhe ao seu redor, camarada
Pra que as trevas não levem seu brilho
Pra que as coisas não saiam do trilho
Hey todo momento atenção
Hey olhe ao seu redor camarada
Pra que as trevas não levem seu brilho
Pra que as coisas não saiam do trilho

Nem todo mundo que tá é
Nem todo mundo que é tá
Nem todo mundo que tá é
Nem todo mundo que é tá
Nem todo mundo que tá é
Nem todo mundo que é tá
Nem todo mundo que tá é
Nem todo mundo que é tá

"O mundo ainda não está acostumado
Ao ver o reinado de quem mora do outro lado da ilusão
A ilusão da felicidade tem quatro carros por cabeça
Deixando o planeta sem capacidade de respirar a vontade
A ilusão de é que é mais vantagem cada casa mais carro que filho
Cada filho menos filho que carro
Enquanto eu com meu faro, vou tirando onda
Vou na bike do meu verbo, tirando sarro
Minha nave é a palavra, é potente meu veiculo
Sem código de barra, não tem etiqueta embora sua marca seja boa
Minha alma é de boa marca
Por isso não tem placa, tabuleta, inscrição
Meu cavalo pega geral
É Pegasus é genial, a palavra tem mil cavalos quando eu falo
Sou embaixador, da rua não esqueço os esquecidos, e eles se lembrar de mim
Sente a lagrima escorrer da minha voz
Escutam a musica da minha alma
Sabe que o que quero pra mim, quero pra todo o universo
E esse o papo do meu verso"