Tempo De Seca

Jari Terres

A seca fere os olhos do campeiro
Quando uma rês procura água
Mugindo em seu desespero
Como um lamento, uma mágoa


Meu Deus, olhando pra o céu
Pras bandas do Uruguai
Rezo e tiro o meu chapéu
Será que esta chuva cai


É pasto seco e queimada
Tropa de gado e fiador
Procurando alguma aguada
Onde a vida tem valor


Todo o dia a mesma esperança
Chega outra noite estrelada
É um desgosto na estrada
Ver pensativa a peonada


O açude em frente as casas
Secou sem deixar vertente
As marrecas bateram asas
Que dor na alma da gente


Ali, apontando o dedo
Mostrando pra uma visita
Como se fosse um segredo
O capataz revisita


Busca no fundo do peito
O postal de um campo verde
A sanga correndo em seu leito
Pra tropilha matar a sede


Assim vai passando o tempo
Mas um rural não se curva
Bombeia a nuvem, cuida o vento
Quem sabe amanhã vem chuva.