Tão Minha Tão Mulher

Maurício Duboc

Você, deitada assim na minha cama,
Sobre o lençol desmanchado de amor,
Cabelo solto, largado, desfeito,
Sem preconceito, vergonha ou pudor.

Você, deitada assim na minha cama,
Tão descomposta e tão natural,
O coração mal contido no seio,
Sem medo ou receio,
Em paz afinal.

Você tão minha e tão mulher,
Deitada em minha cama,
Me ensinou a poesia do amor,
E a canção do prazer.

Você, um sonho tão real,
Dizendo que me ama,
Deitada em minha cama,
Tão minha, tão linda, tão mulher.

Você, um sonho tão real,
Dizendo que me ama,
Deitada em minha cama,
Tão minha, tão linda, tão mulher.

Você, deitada assim na minha cama,
Tão descomposta e tão natural,
O coração mal contido no seio,
Sem medo ou receio,
Em paz afinal.

Você tão minha e tão mulher,
Deitada em minha cama,
Me ensinou a poesia do amor,
E a canção do prazer.

Você, um sonho tão real,
Dizendo que me ama,
Deitada em minha cama,
Tão minha, tão linda, tão mulher....