Editar Biografia

Biografia Barrerito

  • Nome completo:Barrerito
  • Nascimento: 22 de Outubro de 1942, (55 anos)
  • Origem:Sao Fidelis, Rio de Janeiro, Brasil
  • Começou há:46 anos em 1976
  • País:BrasilBrasil
  • Participa(ou):Trio Parada Dura,
  • Terminou: há 24 anos em 1998
  • Faleceu: há 23 anos em 12 de Agosto de 1998 , BELO HORIZONTE, Minas Gerais, Brasil
Carlos Alberto Mangabinha Ribeiro, o Mangabinha, nascido na cidade de Corinto-MG em 1942 é o único integrante remanescente da formação original desse trio que se formou em 1973 e aproveitou a trilha aberta por Léo Canhoto e Robertinho para inovar a Música Sertaneja em diversos aspectos, como a temática do repertório e a instrumentação, mas sem ferir totalmente nem fugir demasiadamente das Raízes.

Mangabinha foi “bóia-fria” no Interior Mineiro e, com apenas 8 anos de idade, começou a tocar a sanfona de oito baixos, em 1950, apresentando-se em festas e forrós da região.

Em 1970, Mangabinha trocou sua Corinto natal pela Capital Mineira e, em Belo Horizonte-MG formou um trio juntamente com Gino e Geno, trio esse que chegou a lançar um LP.

Foi no ano de 1973 que Mangabinha trocou a Capital Mineira pela Capital Paulista, onde atuou na Rádio Nove de Julho, ocasião na qual aconteceu a primeira formação do Trio Parada Dura, juntamente com Delmir e Delmon.

Com Mangabinha, Delmir e Delmon, o Trio Parada Dura lançou três LP’s pela gravadora Chororó, em seus dois anos de duração, nessa formação inicial. Desconheço qualquer remasterização em CD desses primeiros discos, os quais possuem indubitavelmente um indiscutível valor histórico.

Em 1975, dois anos após sua formação, aconteceu a primeira alteração no Trio Parada Dura, com as saídas de Delmir e Delmon, que foram substituídos por Benzito e Barrerito (Élcio Neves Borges, nascido em São Fidélis-RJ em 22/10/1942 e falecido em Belo Horizonte-MG em 12/08/1998).

Com essa nova formação, o Trio Parada Dura gravou, até o ano de 1987, três LP’s pela gravadora Chororó (“Mineiro Não Perde o Trem” (1976), “Casa da Avenida” (1977) e “Homem de Pedra (1978)) e 10 LP’s pela Copacabana (dentre os quais, “Cruz Pesada” (1978), “Castelo de Amor” (1979), “Blusa Vermelha” (1980) e “Barco de Papel” (1984)).

Nesses oito anos, o conjunto fez bastante sucesso com as músicas “Não Quero Piedade” (Ronaldo Adriano - Zé da Praia - Barrerito), “Homem De Pedra” (Correto - Creone), “O Doutor E A Empregada” (Roniel - Augusto Alves Pinto), “Fuscão Preto” (Jeca Mineiro - Atílio Versutti), “Panela Velha” (Moraezinho - Auri Silvestre), “Avião Das Nove” (Praense - Ado), “As Andorinhas” (Alcino Alves - Rossi - Rosa Quadros) (a música cujo trecho o Apreciador ouve ao acessar essa página), “Mineiro Não Perde O Trem” (Juquinha - Silveira), “O Carro E A Faculdade” (Sulino - José Fortuna), “Soraia” (Zé Mulato - Aristeu - Barrerito) e “Bobeou… A Gente Pimba” (Jotha Luiz - Cesar Augusto - Barrerito), apenas para citar algumas. Sem dúvida, o período de maior sucesso do trio.

Em Março de 1982 um acidente aéreo levou Barrerito à cadeira de rodas. Depois disso, ele acabou saindo do conjunto e, em seu lugar, entrou seu irmão Parrerito, o qual permanece até hoje no grupo.
    Foto do Álbum