Editar Biografia

Biografia Charlie Brown Jr.

BrasilSantos / São Paulo / Brasil Começou há 25 anos em 1992
Terminou há 3 anos em 6/3/2013
O ano de 1992 é muito importante para Chorão e sua turma. Nasce em Santos, litoral de São Paulo, a banda de rock Charlie Brown Jr. (CBJR), que ganharia dois Grammy Latino e venderia 5 milhões de discos. Uma banda que segue a linha hardcore com estilo próprio e mistura reggae, rap, skate punk e hip-hop. Chorão, o vocalista e principal compositor, transporta para as músicas o sente e pensa e isso aproxima a banda de jovens do Brasil inteiro. Com temperamento forte, o CBJR teve algumas formações e acabou em 6 de março de 2013, quando Chorão é encontrado morto por overdose em seu apartamento. O mundo do rock perde um gênio! Seis meses depois, o baixista Champignon é encontrado morto com um tiro na cabeça, acredita-se que foi suicídio. Mais um choque!

O começo de tudo

Apesar do fim trágico, Charlie Brown Jr. tem uma história muito inspiradora de luta, persistência e fé. A vida não foi nada fácil para o adolescente Alexandre Magno Abrão, que teve uma infância traumática e, aos 17 anos, se mudou para Santos. O apelido Chorão ele ganhou quando ainda andava de skate em São Paulo. Aliás, essa era uma de suas paixões e ele chegou a ocupar lugar de destaque no ranking do esporte.

No entanto, num certo dia, Chorão vai a um bar na cidade litorânea e substitui, por acaso, o vocalista da banda que está tocando no local. Uma pessoa da plateia gosta e o chama para fazer parte de sua banda. Sem pensar duas vezes, ele vai e quando o baixista sai, entra Champignon que tinha apenas 12 anos. Algum tempo depois, eles convidam Renato Pelado e em seguida Marcão e Thiago.

Nasce o Charlie Brown Jr.

Com essa formação (Chorão, Renato Pelado, Champignon, Marcão e Thiago), em 1993, a banda passa a se apresentar no circuito underground de Santos e São Paulo e também em eventos de skate, mas ainda não tem nome. Certo dia Chorão vê uma barraca de água de coco que tem a imagem do Charlie Brown, do desenho do Snoopy e ele curte e acrescenta o Jr. porque, segundo o jovem, eles eram os filhos do rock. Assim o grupo é batizado. A banda cria sua identidade, mas tem bastante influência do Nirvana, Raimundos, Red Hot Chili Pepper, 7 Seconds, The Faction, Dead Kennedys.

CBJR decide então gravar uma demo, mas só vai curtir o resultado na terceira tentativa. Isso significa que eles gastaram muito dinheiro e Chorão chega a vender TV, vídeo-cassete e cds de música. Ele também consegue uma grana gravando jingles.

Com a demo nas mãos, ela é entregue para Rick Bonadio, presidente da Virgin Records e produtor dos Mamonas Assassinas. Ele se interessa pelo grupo e os contrata.

Assim nasce o primeiro disco, o Transpiração Contínua Prolongada do Charlie Brown Jr. e um contrato de três anos com a Virgin (divisão da gravadora EMI). O álbum ganha esse nome por retratar tudo o que a galera passou para chegar onde estavam.

O sucesso e os clipes

E com o vento soprando a favor, em 1997 eles estouram com os sucessos “O coro vai comê”, “Tudo o que ela gosta de escutar”, “Gimme o anel”, “Sheik” e “Quinta-feira”. Eles também estreiam na área de videoclipe com a canção “Proibida pra mim (Grazon)”, música que Chorão fez para a namorada, Graziela por quem é apaixonado. O primeiro disco vende simplesmente 500 mil cópias.

Mesmo estourado, Chorão chega a passar dificuldade em Santos. Nem sempre eles conseguem fazer os shows porque não têm instrumentos.

Mas as coisas iriam melhorar. Em 1998, Charlie Brown Jr. vai a um dos principais prêmios de música brasileira, o VMB MTV Brasil, e ganha o prêmio de melhor clipe revelação com a músicaProibida pra mim (Grazon)”. O filme conta com a participação da musa da época, a assistente de palco do Gugu na época, Alessandra Scatena. O sonho de viver de música e ser reconhecido está se tornando realidade.

A consolidação da banda

Charlie Brown Jr. já é conhecido, agora é hora de se consolidar. Em 1999 os meninos entram em estúdio e gravam o segundo disco Preço Curto. Prazo longo que tem 25 faixas com diversas participações, entre elas de Rodolfo, que na época era vocalista do Raimundos. A música de trabalho “Zóio d’Lula” leva a banda ao estrelato nacional, com turnê nas principais capitais do país. Depois vem os outros sucessos, como “Confisco”, “Te levar”, “A grande volta” e “Não deixe o mar te engolir”. CBJR consegue até fazer parte do seleto grupo que tem suas músicas tocadas nas rádios. Charlie Brown Jr. se torna uma das principais bandas de rock nacional. Eles então investem em mais um clipe, agora da música “Confisco” com muitas imagens da turnê dos dois discos.

Por seis anos (de 1999 a 2006), o hit “Te levar” é tema da novela teen Malhação, da Rede Globo e seu trabalho alcança um público bem variado, o que lhe rende vários prêmios e músicas em primeiro lugar em todo o Brasil.

A primeira crise

Em 2000, antes de lançar o disco Nadando com os Tubarões, Chorão perde o seu pai e isso o desestabiliza. A banda decide parar até que ele se recupere desta grande perda. Diz a lenda que nessa época Chorão e Champignon também andavam brigando demais. Seis meses depois, 20 kg mais gordo, Chorão em casa sem fazer nada, se dá conta de que não é isso que ele quer para a sua vida.

Ele reúne os seus companheiros de banda (Champignon, Thiago, Marcão e Renato Pelado) e eles voltam a tocar e ensaiar. A banda grava então um disco com 17 músicas com muito hip-hop, algumas baladas e vários outros estilos e muitas participações. O single “Ralé” tem até participação do pai de um deles que é músico e toca trompete. Nessa mesma época, Zeca Baleiro grava “Proibida pra mim (Grazon)” e eles ficam felizes da vida.

Um DJ entra na banda

Para inovar, a banda decide colocar um DJ para se apresentar com eles devido as influências de hip-hop. É aí que Anderson Faria “Franja” que fazia parte da turma do RZO entra no grupo para acompanhá-los na turnê. O disco também tem participação do rapper Sabotage e da cantora Negra Li. Nesse CD se destacam as faixas “Rubão – O Dono do Mundo” e “Não é Sério”.

Nesse mesmo ano, eles, junto com outras bandas nacionais, se negam a participar do Rock in Rio – Por um Mundo Melhor por não acharem legal a forma com que estão tratando as bandas nacionais.

Mais um prêmio e nova gravadora

Em 2001, Charlie Brown Jr. marca presença novamente no VMB e leva para casa o prêmio escolha da audiência e melhor videoclipe com a música “Rubão”. Devido a isso, eles são convidados a assistir o VMA (Video Music Awards) nos Estados Unidos, como destaque brasileiro.

Nessa época, o guitarrista Thiago já tinha saído do grupo para cuidar de sua vida pessoal e é substituído por Marcão, um guitarrista de peso.

O novo quarteto assina com a EMI para lançar um novo CD que se chamaria “100% Charlie Brown Jr. – Abalando a sua fábrica” só com músicas inéditas. Os destaques ficam para “Hoje eu acordei feliz”, “Lugar ao sol” e “Como tudo deve ser”. Nesse álbum o grupo foca mais no rock e no hardcore, deixando um pouco de lado suas outras influências.

Charlie Brown internacional

Em 2002, a banda faz um show em Portugal e a recepção é tão boa que eles lançam um CD exclusivo em forma de coletânea em Portugal. Os portugueses batizaram a banda de “Bocas Ordinárias” devido à atitude e intensidade dos shows.

Nessa mesma época eles lançam o primeiro DVD, chamado “Charlie Brown Jr. – Ao Vivo” que foi gravado no Directv Music Hall, em São Paulo. E no final do ano, o quinto álbum é lançado com o nome de Bocas Ordinárias. As músicas “Papo reto – Prazer é sexo, o resto é negócio” e “Só por uma noite” mantém a banda no topo das músicas mais tocadas nas rádios do país e a primeira ganha o VMB de Escolha da Audiência e a segunda de melhor videoclipe de rock. Esse disco também tem uma versão de “Baader-Meinhof Blues” do Legião Urbana e tem a primeira música do grupo gravada totalmente em inglês, a “My Mini Ramp”.

Acústico MTV, sucesso estrondoso

No ano seguinte, CBJR grava o Acústico MTV, que tem como convidados Negra Li, Marcelo Nova e Marcelo D2, que participam respectivamente das canções “Não é Sério", "Hoje" (Camisa de Vênus) e de "Samba Makossa" (Chico Science & Nação Zumbi). Nesse trabalho não pode faltar os sucessos “Proibida pra mim (Grazon)”, “Zoio d’Lula”, "Tudo o que gosta de escutar" e também as inéditas “Vícios e Virtudes” e “Não uso sapato” que estoura em todo o Brasil. Desse acústico também sai um DVD que leva o mesmo nome. O sucesso é tanto que eles vendem 2 milhões de cópias.

Além da turnê em todo o Brasil, Charlie Brown Jr vai para Europa, Japão e Estados Unidos. Eles também representam o Brasil no Rock in Rio Lisboa em Portugal e tocam na mesma noite de Evanescence e Foo Fighters.

Durante essa turnê acústica, em 2004, o jeito estourado de Chorão entra em cena. Ao encontrar Marcelo Camelo, do grupo Los Hermanos, no aeroporto, Chorão parte pra cima dele devido a uma crítica que ele tinha feito e quebra o nariz de Camelo. Chorão é processado.

De volta ao Brasil, eles abrem o show do Linkin Park no chamado Chimera Music Festival, no estádio do Morumbi.

Novo trabalho

Na vibe de lançar um novo disco por ano, em 2004 eles entram em estúdio para gravar o sétimo disco: Tamo aí na atividade, que ganha o primeiro Grammy Latino de melhor álbum de rock brasileiro e também o DVD “Charlie Brown Jr. – Na estrada 2003/2004”. Desse trabalho se destacam as músicas “Champagne e Água Benta”, “Tamo aí na atividade” e “So far Away”.

E mesmo com todo o sucesso, os bastidores não vão nada bem. A banda está demorando meses para fazer o lançamento oficial do disco. no clipe de “Champanhe e Água Benta” apenas o Chorão participa e no encarte não havia nenhuma foto dos integrantes juntos. A “Tamo aí na atividade” parece uma despedida, aliás todas as músicas parecem retratar a realidade conturbada da banda e Chorão sempre diz que tudo podia acabar.

Outra crise e “nova” banda

Em 2005 eles entram em férias e pouco tempo depois, Chorão vai sozinho ao programa do João Gordo e diz que o Charlie Brown Jr. é a sua vida e só acabaria quando ele anunciasse e que nesse período de descanso está cada um cuidando de seus projetos paralelos. Nessa época especulava-se que Chorão estaria com uma nova banda, a Skate Vibration, com o ex-integrante do CBJR, o Thiago Castanho, que faria a trilha sonora do futuro filme “O Magnata”.

Poucos dias depois, em 13/04/2005, Marcão, Champignon e Renato Pelado anunciam a saída da banda através de um comunicado no site oficial. De acordo com Chorão o principal motivo de desentendimento é dinheiro.

No dia seguinte, Chorão publica que continuará fazendo o que ama, que é cantar. E pede apoio dos fãs aos novos integrantes. Volta Thiago Castanho, Heitor Gomes no baixo e Pinguim na bateria. Eles estreiam em 15/04/2005 em São Paulo e os fãs curtem a nova montagem.

Charlie Brown Jr. com força total

No fim de 2005 é lançado o álbum Imunidade Musical e de cara a música “Lutar pelo que é meu” se torna o tema da novela Malhação. Outros sucessos que ganham as primeiras posições nos rádios são “Cada cabeça falante tem sua tromba de elefante”, com participação de Rappin Hood e Parteum, “Ela vai voltar (todos os defeitos de uma perfeita)” e “Senhor do Tempo”, que ganha o Prêmio Multishow de Música de melhor canção.

O CD que tem 23 músicas rende um DVD, que além de uma apresentação ao vivo, tem clipes que misturam imagens da banda Charlie Brown Jr. nos shows feitos em 2005, nas viagens e gravações do CD.

Neste mesmo ano Charlie Brown Jr. lança seu quarto DVD chamado “Skate Vibration”, que vai de rock pesado a melodia, do rap e reggae ao blues.

O ano de 2006 a banda segue em turnê no Brasil e fora também. O filme “O Magnata” que tem roteiro e trilha sonora de Chorão começa a ser rodado.

Filmes e prêmios

Como a banda lançava um disco por ano, 2007 começou com a expectativa de um novo trabalho e alguns problemas com estúdio, gravadora e a trilha sonora do filme “O Magnata” atrasaram os planos. Mas algumas músicas do novo trabalho vazam e antes do lançamento Chorão lança o primeiro single na rádio, a música “Não viva em vão”, e outras inéditas são disponibilizadas no site oficial. Em junho eles fazem o show de lançamento antes mesmo do CD sair.

Em outubro, o disco Ritmo, Ritual e Responsa, trilha sonora do filme é lançado com 23 músicas, que falam sobre os anseios da juventude. O disco é produzido pelo próprio Chorão com Thiago Castanho e as músicas que se destacam são “Pontes Indestrutíveis”, que ele compôs com Edu Ribeiro, e leva o prêmio Multishow de Melhor Videoclipe, “Uma criança com seu olhar” e “Be myself” que foi tema da novela “Duas Caras”, da Rede Globo. O disco conta com as participações de Forfun, Sacramentos Mc’s, MV Bill, João Gordo, entre outros.

Em novembro de 2007 é lançado o filme “O Magnata” que logo fica entre os filmes mais vistos do Brasil.

Paralelo a isso, é lançado o quinto DVD: “Ritmo, Ritual e Responsa ao vivo”, que é gravado no show realizado no Expresso Brasil, em São Paulo.

Mais baixa na banda

Em 23 de abril de 2008, Pinguim anuncia no site oficial que está saindo da banda. Em seu lugar entra Bruno Graveto, também de Santos, que tocava na Pipeline, O Surto e Fusion. A banda segue com sua turnê.

No entanto, um tempo depois, eles resolvem fazer mais uma pausa. Chorão quer ficar mais com a família, rever os amigos, vivenciar coisas do dia a dia e recuperar a inspiração de compor.

Nova gravadora

A banda então assina com a Sony Music e conta com a produção do renomado Rick Bonadio para lançar o Camisa 10 (Joga bola até na Chuva). O nome veio do encontro do Chorão com o Falcão, cantor do O Rappa e fazia uma alusão aos 10 anos de carreira do grupo. O disco conta com as músicas “Me encontra” e “a inteligência e a voz” que tinha sido encomendada por Cássia Eller, mas como ela faleceu 15 dias depois da música estar pronta, Chorão coloca em seu disco. Outro single que se destaca é “Só os Loucos Sabem”.

Em novembro de 2010, a banda ganha o segundo Grammy Latino na categoria de “Melhor Álbum de Rock Brasileiro”.

Formação original de volta

Em 2011 Chorão anuncia mais um integrante! Marcão volta ao grupo. E pouco tempo depois volta Champignon, após o contrato de Heitor Gomes ter sido encerrado. O grupo retoma, praticamente, a sua formação original. Depois de um problema com a gravação do novo DVD Música Popular Caiçara, eles rompem com a Sony e partem para o trabalho independente. Eles então gravam ao vivo em Santos e Curitiba e reúnem músicas de seu repertório de 10 discos. Agora a banda é formada por Chorão, Champignon, Marcão, Thiago Castanho e Bruno Graveto. O DVD é lançado no iTunes em março de 2012 e também é distribuído com o selo Radar Records, em comemoração aos 20 anos de carreira do grupo.

Em turnê, durante um show no Paraná, Chorão critica Champignon e diz que ele voltou pra banda por dinheiro. O baixista sai do palco, mas dias depois eles gravam um vídeo pedindo desculpas e dizendo que está tudo bem.

Depois dessa turnê, a banda entra de férias e aí o final dessa história não é nada feliz.

É o fim do Charlie Brown Jr.

No dia 6 de março, depois de várias tentativas para falar com Chorão, seu motorista e seu segurança entram em seu apartamento, em São Paulo, e encontram o cantor morto no chão da cozinha.

Poucos dias antes disso acontecer, Chorão tinha divulgado a música "Meu Novo Mundo", que seria lançada no próximo álbum da banda. No entanto, sem o vocalista e compositor, Charlie Brown Jr. acaba! Nesse momento é lançada uma coletânea “Charlie Brown Jr: de 1997 a 2007” que fica entre os álbuns mais vendidos.

A morte dele, dois anos depois, ainda rende notícia. Segundos familiares de Chorão, o filho dele, Alexandre Magno Abrão, quer de volta o apartamento que o pai deu para a avó e ele também cortou a mesada que ela ganhava de Chorão. A mãe e os irmãos não tiveram acesso a nada que o cantor deixou de herança.

Champignon encontrado morto

Depois da morte de Chorão, Champignon e os outros músicos (Marcão, Graveto e Thiago Castanho) decidem montar uma nova banda, agora chamada de A Banca, onde o baixista também seria o cantor. No entanto, depois de poucas apresentações, muita pressão, autocobrança e críticas, em 9 de setembro de 2013, Champignon é encontrado morto com um tiro na cabeça, acredita-se que foi suicídio. Ele deixa sua mulher grávida de cinco meses.

Último trabalho de CBJR

Em outubro de 2013 é lançado, pela Som Livre, o La Família 013, o 12° álbum da banda. Em 2014, o videoclipe da canção “Rock Star” é lançado. O vídeo mostra a vida de um filho de roqueiro que entra em turnê com a banda do pai, as mordomias e as farras. Essa é a vida do filho de Chorão, Alexandre Abrão e conta com os antigos integrantes da banda, Marcão, Bruno Graveto e Thiago Castanho.

Alexandre então fez o Festival “Tamo aí na Atividade” para homenagear o pai e subiram ao palco os ex-membros do CBJR, além de Mano Brown, Nando Reis, Marcelo D2, João Gordo, Di Ferrero, Supla, entre outros que cantaram os maiores sucessos da banda.

Em 2014, a banda Charlie Brown Jr. tem sua música “Meu Mundo Novo” na trilha sonora de Malhação 2014 e a canção “Céu Azul” na trilha da novela Império, ambas da Rede Globo.

Musical “Dias de luta, dias de glória”

Em março de 2015 estreia o musical “Dias de Luta, Dias de Glória”, que tem como objetivo homenagear o cantor e compositor Chorão. Dirigido por Bruno Sorrentino e escrito por Well Rianc, o musical conta com a colaboração direta apenas do filho de Chorão. A mulher Graziela Gonçalves que foi casada por 15 anos com o fundador de CBJR ficou de fora porque não autorizou o uso de seu nome.

O musical está causando muita polêmica. Segundo os familiares, ele não é fiel a vida de Chorão, afinal de contas não retrata Graziela, nem os pais e irmãos. Além disso, nem o irmão e nem a mãe de Chorão foram consultados, assim como a mãe de Champignon.

Alexandre também está cuidando da produção do filme “O cobrador” que foi escrito por Chorão antes de morrer.
    Foto do Álbum