Editar Biografia

Biografia Elvis Presley

Mito. Rei. Fenômeno. Todos esses adjetivos combinam com o cantor Elvis Presley. De família humilde, Elvis chegou ao topo da carreira artística. Embora ele nunca tenha feito uma turnê internacional (os únicos shows que fez nos Estados Unidos foi no Canadá), Elvis tinha uma legião de fãs em todo o mundo. Ele é tão idolatrado que há milhares de imitadores por todo canto da terra. Elvis inovou na forma de dançar e cantar e misturou música negra, folk, gospel e ritmos caribenhos. Depois dele, diversos outros ícones, como The Beattles e Rolling Stones se inspiraram nele. Mas infelizmente, pudemos acompanhar pouco o seu sucesso. Elvis morreu com apenas 42 anos. Confira a história desse astro da música que não viveu apenas uma vida cheia de glamour.

Vida normal e humilde

Elvis Aron Presleynasceu em 8 de janeiro de 1935, em Mississipi (EUA), em uma época de muitos conflitos raciais. De família humilde, Elvis teve o pai, Vernon, preso quando ele tinha apenas 2 anos por estelionato (ele falsificava cheques). Por conta disso, eles perderam a casa e foram morar com os avôs paternos.

Elvis era uma fofura quando criança



Elvis já famoso com seus pais


Desde pequeno, ele frequentava os cultos da igreja evangélica, o que influenciou em sua formação musical. Ele até tentou cantar em uma banda coral gospel, mas acabou não rolando por não gostarem da sua voz.
Aliás, Elvis sempre gostou de música e aos 11 anos ganhou um violão de sua mãe. Dizem que ela fez isso para ele não comprar uma arma. Elvis se apaixonou e não largou mais o instrumento.


Ele não largou seu instrumento preferido nem no exército

Em 1948, a família Presley se mudou para o Tennessee (EUA) para tentar melhorar de vida e realmente melhoraram. Depois de trabalhar como lanterninha de cinema e motorista de caminhão, ele se encontrou na música.

Seu primeiro disco foi gravado em 1953. Ele pagou 4 dólares para cantar duas músicas “My Happiness” e “That's When Your Heartaches Begin” e dar de presente para a sua mãe.

Escute aqui “That's When Your Heartaches Begin”



Sucesso meteórico


Esse era o disco “That's All Right, Mama”


Essa é a música That's All Right, Mama



Esse primeiro disco vendeu 7 mil cópias na primeira semana. Elvis então assinou com a RCA e quem intermediou o negócio foi Tom Parker, conhecido como “coronel” Parker, seu empresário que o ajudou a construir sua carreira. Em seguida ele lançou “Heartbreaker hotel” e vendeu 1 milhão de cópias.

Capa do LP


Ele então começou a se apresentar em programas de rádios e TV. Aí veio “Mystery Trai”, que chegou em 11ª colocação da Billboard, “Baby, Let's Play House” , que ficou em 5º lugar e “I Forgot To Remember To Forget” , que arrasou no topo das paradas.

Escute aqui o sucesso I Forgot To Remember To Forget



Em dois anos, Elvis era um fenômeno. Suas músicas encantavam e suas apresentações empolgavam. Elvis cantava muito e era muito sensual no palco. Entre os seus maiores sucessos estão: “Suspicious Mind”, “Jailhouse Rock”, “Shake, Rattle & Roll”, “Hound Dog”, “Don't Be Cruel”, “Love Me Tender”, “Don't Leave Me Now”, “Love Me”, “Long Tall Sally” e “Always on My Mind”. No total foram mais de 52 álbuns, sendo 11 de música gospel.

Em 1955, mesmo ano de seu sucesso nos palcos, Elvis estreou em Hollywood no filme “Love me Tender” . Com o requebrado, conquistava jovens e chocava conservadores. Entre 1960 e 1965 filmou todo tipo de gênero, dramas, musicais e faroestes.

Veja aqui o trailer de “Love me Tender”



A música “Love me Tender” ficou durante 19 semanas nas paradas, sendo cinco semanas como a música número 1. A canção é uma adaptação da cantiga popular “Aura Lee”, escrita em 1861.

Escute aqui



Durante o período que gravou os filmes, ele ficou longe dos palcos. Seu empresário achava que isso era bom para sua imagem. Ele voltou a se apresentar apenas em 1969, em Las Vegas. O astro já estava bem acima do peso e envelhecido. Suas músicas agora estavam muito mais românticas e menos rebeldes

O cantor vira soldado


Elvis vive seus dias de soldado


Mania de armas

Elvis tinha verdadeira adoração por armas. Desde o tempo do exército, ele tinha um arsenal em suas casas e vivia dando armas de presente para as pessoas.Ele também andava com uma pequena pistola e dizia que fazia isso porque caso aparecesse algum engraçadinho, ele estava preparado.

Elvis e sua pequena coleção de armas


Elvis perde sua mãe

Elvis era filho único (seu irmão gêmeo morreu durante o parto) e isso fez com que seus pais tivessem um supercuidado com ele, principalmente sua mãe Gladys. Quando ele foi para o exército, ela ficou muito perturbada com a ideia de ficar muito tempo longe do filho. Gladys ficou muito doente e foi internada com hepatite aguda. Elvis até conseguia dispensas para estar mais perto da mãe, mas pouco tempo depois ela morreu. Isso aconteceu em 1958.

O cantor com sua amada mãe


As polêmicas mulheres de Elvis

Vamos lá: Elvis não era um cara fiel, aliás, esse era um de seus defeitos. E embora ele sempre estivesse rodeado de mulheres, o cantor se envolveu seriamente com algumas.

Priscilla Ann Wagner, ele conheceu quando estava no exército. Ele era 10 anos mais velho (na época ela tinha apenas 14 anos). Elvis e Priscilla se casaram em 1967 e ficaram juntos até janeiro de 1973, quando ela trocou o astro por seu professor de karatê. Dá para acreditar? Dizem as más línguas que ela não aguentava mais a falta de carinho do marido e sua ausência de casa. Depois do nascimento da filha Lisa ficou muito mais complicado acompanhá-lo. Elvis sofreu demais com esse divórcio.

Elvis e Priscilla formavam um belíssimo casal


Elvis então conheceu a Miss Tennessee Linda Thompson e recuperou o ânimo de viver. O relacionamento tinha tudo para dar certo, afinal, ela gostava dele, era divertida e curtia música gospel. Mas a alegria durou cerca de 3 anos e há duas versões para o rompimento: 1ª: Elvis não teria gostado de fotos que ela fez dentro de sua mansão e vendido para uma revista. 2ª: Linda não aguentava o ritmo de vida de Elvis e seu vício em remédios.

Elvis com Linda eram puro romance


Pouco depois, ele se envolve com Ginger Alden, com quem ficou até o dia de sua morte.

Elvis com e Ginger, que esteve ao seu lado até o último dia


Como fidelidade era uma palavra desconhecida para o rei, ele sempre queria estar com companhias femininas. Nem sempre rolava sexo, as meninas mais faziam papel de babás ou mães. Mas Elvis logo enjoava, as enchia de joias e as dispensava.

Filha única muito amada

Elvis teve apenas uma filha Lisa Marie Presley, do seu relacionamento com Priscilla. Ela nasceu em 1968 e Elvis era completamente apaixonado pela menina. Mesmo depois da separação, ele podia vê-la sempre que quisesse e os dois passavam horas brincando. Quando o pai morreu, a menina ficou em choque. Aliás, sempre que ela fala do que aconteceu, ele se comove.

Família linda


Lisa nos dias atuais. Ela foi casada com Michael Jackson sabia?


Consumista ao extremo

Elvis ganhava muito dinheiro, mas gastava da mesma forma. Ele vivia comprando carros, joias e casas para amigos, empregados e namoradas, além de ajudar anonimamente diversas instituições. Por conta disso, ele tinha um exército de pessoas ao seu lado, mesmo contra os conselhos de seu pai.

Sua paixão por joias era tão grande que ele usava anéis em todos os dedos dentro e fora dos palcos, além de medalhões, contos dourados, correntes... Ele também gostava de bengalas que tinham os topos de prata ou ouro.

Elvis com suas joias no palco


Isso sem falar nos carros. Ele tinha mania de comprar motos e outros veículos, principalmente Cadillac para ele para todo mundo. Quem estivesse com ele na hora da compra, também ganhava um.

O cantor teve mais de 100 carros


Polêmica com mulheres

Segundo o livro "Elvis E A Revolução Do Rock", escrito pelo biógrafo Sebastian Danchin, Elvis tinha sérios problemas com mulheres que eram mães, devido a adoração que ele tinha pela sua. Segundo o escritor, após sua esposa Priscilla dar à luz a filha, Elvis não conseguiu mais vê-la como mulher e isso anulou seus desejos sexuais pela esposa. Este foi um dos motivos do divórcio, que deixou o astro abalado físico e mentalmente.

Isso também pode explicar sua obsessão por ninfetas. Segundo o livro, o corpo feminino em formação de uma adolescente não remetia ao corpo adulto de uma mulher, potencialmente uma mãe. Que loucura, né?

O dia a dia de Elvis

Elvis estava estourado mundialmente quando foi para o exército. Ele morria de medo de perder tudo o que tinha conquistado quando voltasse, dois anos depois. Mas é claro que isso não aconteceu. Elvis tinha fãs em toda parte do mundo que o idolatrava. Quando ele voltou, o astro continuou arrasando no palco, arrastando multidões para seus shows, gravando discos e participando de programas. Ele ainda lançou um documentário de sucesso, foi pelo então presidente Richard Nixon, ganhou Grammy Awards e outros prêmios e se manteve no topo das paradas.

Elvis no palco era um arraso. Confira!



Mas nem tudo foi lindo em sua vida. Ele ficava entediado com qualquer coisa e já com a saúde debilitada, não fazia mais shows espetaculares. Aliás, em alguns, ele mais falava do que cantava, mas ainda assim suas apresentações lotavam e ninguém reclamava. Elvis não estava bem fisicamente e era depressivo.

Além disso, embora Elvis fosse muito próximo de seus fãs, ele era discreto e vivia muito tempo recluso em sua casa. Ele adorava ficar em sua residência conversando com um ou dois amigos. Elvis também trocava o dia pela noite, indo dormir quando o dia já estava amanhecendo e acordando apenas no fim da tarde.

O vício em remédios

Elvis Presley, o rei do rock, era viciado em remédios (ele abominava drogas ilícitas, como cocaína, heroína ou maconha), mas adorava um comprimido. Isso provocou diversos problemas de saúde. Certa vez ele foi internado e diagnosticado com cólon dilatado, início de glaucoma e fígado danificado. Elvis comia mal, não se exercitava e o uso dessas drogas complicavam o quadro. Entre os remédios que ele tomava diariamente tinha para perda de peso, controle de apetite, antidepressivo e muitos outros.

Personalidade difícil

Chegou um momento de sua vida que o astro vivia irritado e de mau humor. Nem na hora de cantar ele se animava. Certa vez ele jogou a guitarra na plateia e disse que quem quisesse podia ficar com aquela porcaria. Outra vez xingou o público e depois saiu distribuindo joias. Também brigou com o pessoal da sua banda. As pessoas começaram a ficar irritadas e de distanciar do cantor. Com as vendas de disco caindo, sua casa foi hipotecada e ele ficou muito mal de grana.

A morte inesperada

Mas antes dele recuperar sua vida, as coisas saíram ainda mais de controle e Elvis morreu aos 42 anos, em 16 de agosto de 1977. Ele foi encontrado pela namorada Ginger Alden, em um dos banheiros da mansão Graceland.

No dia de sua morte, ele tinha ido ao dentista a noite, voltou para casa, fez algumas coisas e foi deitar umas 4h da manhã. No meio da manhã, ele acordou para ir ao banheiro e não saiu mais. Quando Elvis pediu ajuda já era tarde demais. Mesmo assim a namorada chamou a ambulância, mas nada adiantou.

Essa é a mansão que Elvis morava




Na época, sua filha Lisa, de 9 anos, ficou em estado de choque com o que viu. Ela conta que ligou para Linda Thompson e falou sem parar: "Meu pai morreu, meu pai morreu!”. Essa notícia abalou os Estados Unidos e o mundo. Ninguém acreditava que o rei do rock tinha morrido.

Elvis teve um ataque cardíaco e também foi encontrado muito medicamento em seu corpo.

Herança sem fim para a filha

Elvis morreu, mas ele continua sendo um dos cantores mais rentáveis desde então. A grana vem da sua obra e de sua casa, Graceland, cujo tour mais barato para um adulto visitar sai por 34 dólares.

E mesmo depois que ele sei foi, alguns discos foram lançados. O último foi "If I Can Dream: Elvis Presley With the Royal Philharmonic Orchestra", em que e orquestra coloca sua voz em algumas canções do astro. Ficou demais. O disco, lançado em outubro desse ano (2015), ficou em primeiro lugar no Reino Unido.

Escute aqui uma música com a orquestra tocando

    Foto do Álbum