Raça (Letra)
Compositor: inserir
Lá vem a força, lá vem a magia, que me incendeia o corpo de alegria.
Lá vem a santa, maldita euforia, que me alucina, me joga e me rodopia.
Lá vem o canto, o berro da fera, lá vem a voz de qualquer primavera.
Lá vem a unha rasgando a garganta, a fome, a fúria, o sangue que já se levanta.
De onde vem essa coisa tão minha que me aquece e me faz carinho?
De onde vem essa coisa tão crua, que me acorda e me põe no meio da rua?

É um lamento, um canto mais puro que me ilumina a casa escura.
É minha força, é nossa energia que vem de longe prá nos fazer companhia.
É Clementina cantando bonito as aventuras do seu povo aflito.
É seu Francisco, boné e cachimbo, me ensinando que a luta é mesmo comigo.
Todas Marias, Maria Dominga, atraca Vilma e Tia Hercília.
É Monsueto e é Grande Otelo. Atraca, atraca que o Naná vem chegando.
Informações

da Música (Raça)

Editar Informações

Comentários Raça

  • Comentar
      Foto do Álbum