Rubra Alma (Letra)
Compositor: inserir
Fechar os olhos pra não ver ao seu redor
Não faz desaparecer do pensamento
A desconcertante dor na face do amor

Negligência em suas mãos é o penhor
Da injustiça que alimenta e fortalece
A injustificável poda da flor

É preciso ser a voz dos que nunca puderam falar
A voz que não se quer calar
Um inocente cai e nossa alma fica manchada de rubro

Coerência estilhaçada cai pelo chão
Os que creem se omitindo e se esquivando
Como se bastasse apenas o erguer de suas mãos

Grito preso na garganta que se soltou
O insuficiente é muito quando o nada é a última cartada
E não lhe sobra opção
Informações

da Música (Rubra Alma)

Editar Informações

Comentários Rubra Alma

  • Comentar
      Foto do Álbum